Trabalho autônomo:Designer de Unha empreendeu durante a pandemia e alcançou estabilidade



Desempregada, Milena Laiana dos Santos Oliveira, 22 anos, foi incentivada por parentes e amigos a investir no ramo de Nails Designer (Designer de Unhas). No início de 2020, a jovem começou a fazer cursos e comprar os materiais para começar a trabalhar. "Quando eu comecei, trabalhava com gel na Tips (unhas postiças com formato diferenciado e coladas do meio à ponta da unha e Fibra de Vidro). Mas hoje eu trabalho exclusivamente com Fibra de Vidro", relatou. Segundo Milena, o início foi em maio de 2020, "Tem 1 ano e 2 meses", confirma.


Assim como outros autônomos que empreenderam na pandemia, Milena já trabalhou em empregos formais com Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e regidos pela Consolidação de Leis Trabalhistas - CLT. "Já tinha trabalhado como caixa e auxiliar administrativo. Mas já tinha um tempinho fora do mercado de trabalho", revelou.


Ao Cartaz da Cidade, a Designer de Unhas contou que iniciou em um espaço cedido na casa dos sogros. "Quando comecei o local foi o último lugar a ser pensado, porém meus sogros são maravilhosos e me cederam uma salinha na casa deles. O espaço é provisório, mas aos poucos estou organizando para ter o meu próprio espaço", disse otimista.


No momento Milena faz o atendimento e o serviço de designer sozinha respeitando todas as medidas de segurança sanitária. Além disso, ela também cuida das redes sociais onde divulga seu trabalho. "Posto todo meu trabalho no Instagram e conto com seguidores, pessoas próximas e clientes para compartilharem. Também distribuo sempre que posso cartões de visitas", pontuou.


Recuperação econômica


De acordo com informações da Revista EXAME, a retomada da atividade econômica das microempresas e dos trabalhadores autônomos não foi satisfatória pois a recuperação dos autônomos ainda não acompanha a volta do comércio formal.


O Índice SumUp do Microempreendedor (ISM) representou uma queda de 9,69% comparando o mês de maio de 2020 e 2021. O Índice SumUp mede a atividade econômica baseando-se em dados de negócios de empreendedores informais de todos os estados brasileiros e de mais de 30 ramos de atividades distintos.


No segundo trimestre do ano passado, os trabalhadores por conta própria receberam 24% a menos do que a renda habitual. Mesmo com uma leve melhora no último trimestre de 2020, o indicador continuou inferior aos níveis registrados antes do início da pandemia, com recuo de 10%.


Veja o vídeo com o trabalho de Milena Laiane:



Iana Lima - Jornalista

Comente e Compartilhe!