Abel Braga exalta os jogadores e diz que sai orgulhoso do Inter com vice-campeonato



Foi com requintes de crueldade. O Inter ficou a apenas um gol para levantar a taça de campeão brasileiro, repetindo a cena de 1979 quando conquistou seu terceiro título. Na noite desta quinta-feira (25), o Colorado ficou no empate sem gols com o Corinthians, em pleno Beira-Rio, pela 38ª rodada do Brasileirão, e não aproveitou a derrota do Flamengo para o São Paulo no Morumbi, por 2 a 1. O técnico Abel Braga exaltou a entrega dos jogadores que lutaram até os 54 minutos do segundo tempo.

"Me sinto orgulhoso pelo que fiz. Esses jogadores têm que se sentir orgulhosos. Eles resgataram a confiança que o torcedor tinha perdido. A lamentar que não puderam ver de perto", afirmou na entrevista coletiva.

Visivelmente abatido, Abel ainda lembrou dos lances que julgou terem prejudicado o Inter tanto no embate com o Flamengo no último domingo (21), no Maracanã, quanto no pênalti não marcado diante do Timão.

"Não sei se pela televisão dá para ver a cor dos olhos. Foram só lágrimas depois da partida no vestiário. A dor não é só porque não levamos o que todo colorado quer e está esperando há 41 anos. Nos tiraram semana passada. Ali, sim, existia vantagem", disse. "Vê o pênalti a favor do Flamengo contra o Grêmio. Incrível. Depois, se não foi pênalti (no toque de braço de Ramiro), poderíamos fazer o gol. Ele tinha que deixar seguir, mas parou logo a jogada. O outro é que a bola que o Cássio soltou, ele marcou antes. Deu falta. Falta de quem? É duro. Houve uma entrega absurda, anormal, fantástica dos jogadores. Uma equipe que jogou muito", completou.

Abel ainda falou do futuro e disse que não seguirá no Colorado. O clube gaúcho tem um acerto com o técnico espanhol Miguel Ángel Ramirez para a temporada de 2021.

"Fica o legado. Trabalho muito bom, prazeroso. Sem problema, mas fica a dor. Mais um vice-campeonato, o terceiro com o Inter. 2006, Bahia e agora. Sei que pelas conquistas deixei muita esperança no torcedor, mas consegui criar na vida. Creio que pela minha lisura, lealdade ao clube, consegui o que nem em sonho poderia. Ela veio ocorrer justamente no Inter, clube pelo qual prezo, respeito e amo. Levo uma placa maravilhosa. Foram 340 jogos. O treinador que mais dirigiu o clube. Agora sim. Foi mais que tudo. Sei que entrei para história do clube", falou. "Ficarei sempre torcendo. Esta relação... É quase inexplicável. Meus amigos perguntaram o que eu faria no Inter. O time em primeiro, as coisas começaram mal. Saio orgulhoso das pessoas que trabalhei, do que conquistei. Dou um até breve, até logo. Futebol você não sabe o que ocorrerá amanhã. Fica o legado", acrescentou.

Esta foi a sétima passagem de Abel Braga pelo Inter. A primeira aconteceu entre 1988 e 1989, quando perdeu o título do Brasileiro para o Bahia. Depois, ele voltou em 1991 e também em 1995. Recontratado em 2006, foi campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes. Após sair em 2007, retornou no mesmo ano. E antes do acerto no ano passado, ele havia dirigido o time em 2014 pela última vez.

O Inter terminou o Brasileirão 2020 na segunda colocação com 70 pontos, um a menos do que o Flamengo, que conquistou o título pela oitava vez na sua história e a segunda consecutiva.



Fonte: Bahia Notícias


Sua opinião é importante para nós. Faça o login e deixe seu comentário no rodapé de nossas matérias. O CARTAZ DA CIDADE agradece por sua participação.