Agachamento pode causar risco aos joelhos?




Por Jucélia Almeida


O agachamento é um dos queridinhos nas academias para definir coxas e glúteos. Há algum mal nesse tipo de exercício? De maneira alguma, desde que seja realizado de maneira correta e com o auxílio de um profissional que possua domínio em biomecânica.


Por ser um exercício que requer a participação de três articulações simultaneamente (quadril, joelhos e tornozelos), além da região lombar, assim, os cuidados triplicam. A realização do movimento precisa de visão global de posicionamento e manutenção da postura adequada.


As articulações que mais apresentam reflexos para o exercício de agachamento errado estão os joelhos e a região lombar. Dentre as causas estão desequilíbrio muscular (fraqueza), peso excessivo e mau posicionamento das articulações, causando impacto e possíveis lesões. Para termos uma ideia 45% das lesões de joelho são decorrentes de exercícios realizados de maneira equivocada, ou até mesmo sem avaliação adequada.


A articulação do joelho é considerada bastante complexa as estruturas precisam estar íntegras para que possam suportar grandes cargas, sem contar que é o eixo central dos membros inferiores, responsável por absorver impactos, isso pela presença de uma estrutura conhecida como “menisco”. Os meniscos têm a responsabilidade de amortecer as tensões.




Dentre as lesões mais comuns dos joelhos estão: a lesão meniscal, lesão no ligamento colateral medial e a condromalácia patelar.


Vamos entender como acontece cada uma:


Lesão meniscal – atividades de alto impacto e desequilíbrio muscular de membro inferiores podem levar a uma lesão meniscal. Por exemplo, nos casos de indivíduos que realizam agachamento com uso de carga e ainda com a tendência a joelho “valgo” ou “varo”, são propensos ao desgaste do menisco. Se os movimentos que causam estresse persistem por muito tempo, a estrutura fica cada vez mais comprometida. Existem os meniscos medial e lateral, com lesão em sua maioria para medial.



Ligamento colateral medial – assim como na lesão meniscal, a fraqueza muscular especialmente da musculatura abdutora/rotadora externa (lateral da coxa), em detrimento da musculatura adutora/rotadora interna (interior da coxa), tende ao joelho em “valgo” comprometendo (tensionando) o ligamento colateral medial do joelho. É comum acontecer lesão conjunta de ligamento colateral medial e menisco medial.



Vale abrir um parêntese quanto à avaliação, pois em alguns casos os pacientes não apresentam alteração do alinhamento dos joelhos na posição estática, porém quando realizam o movimento de agachamento tendem apresentar algumas das alterações o que chamamos de valgo ou varo dinâmico.




Condromalácia patelar – a condromalácia consiste no desgaste da cartilagem retro patelar (atrás dos joelhos), causada por impactos entre as patelas e os côndilos femorais. Dentre as lesões de joelho mais comuns e associadas ao agachamento. Isso acontece devido ao movimento biomecânico proporcionado pelo agachamento.



No momento do agachamento a patela tende a inferioriza (abaixa) para que faça a justaposição entre os côndilos femorais, à medida que o grau de flexão aumenta acontece uma pressão entre a patela e os côndilos a fim de permitir o grau de movimento completo. Até então tudo bem, pois estamos falando de um movimento biomecânico normal. Mas então por que é tão prejudicial o agachamento nesses casos?


Pois bem, primeiro fator a ser considerado é o desequilíbrio muscular, assim como a realização do exercício de maneira equivocada, ou seja, a anteriorização dos joelhos, fazendo que aumente o impacto entre patela e côndilos, bem como a concentração do peso nessa estrutura. Vamos pensar assim: se eu estou trabalhando coxa e glúteos e dói (queima) joelhos, quadril, lombar e tornozelos vamos convir que há algo errado. Temos que partir do princípio de que a musculatura que está sendo trabalhada que deve nos dar a resposta. Então, não apenas o profissional, mas o atleta deve estar atento aos sinais do corpo.


Ainda pensando no risco de desenvolver um condromalácia patelar, cabe uma abordagem a respeito do agachamento em grandes amplitudes, o agachamento a fundo. Como mencionado, quanto maior a angulação de flexão do joelho maior impacto nas estruturas, portando aconselha-se que as articulações fiquem em 90 graus de tornozelos, joelhos e quadril. Então, a realização de agachamento a fundo deixa alguns questionamentos visto que após os 90 graus, além de sair da “angulação de proteção”, requer maiores esforços ao retorno.


Outra situação que necessita de reflexão é o uso de cargas excessivas para realização do exercício, cabe aos profissionais avaliar os riscos. Já existe a ação da gravidade, que pode ser considerada um desafio, então será que é realmente necessário o uso de cargas? Um exemplo que podemos mencionar nesse caso é o Legging Press, são duas ações conjuntas a carga e a ação da gravidade, é realmente necessário? Será que vale o risco para as articulações?


Questionamentos comuns a respeito:


O agachamento é contraindicado?


Não, desde que seja realizado de maneira adequada. E não tenha algum comprometimento, ou alguma patologia diagnosticada.


Estou acima do peso, posso fazer agachamento?


Não é indicado fazer, aconselho a redução do peso antes de realizar o exercício. Inclusive deixo um alerta o excesso de peso é propenso a lesões de joelho, não que vá ter lesão, mas necessita de cuidados e atenção especial.


Por mais que eu faça agachamento não consigo hipertrofiar, há algo de errado?


Não. O que deve ser levado em consideração e a estrutura corporal, não há como comparar o desenvolvimento muscular, cada indivíduo tem um biótipo. O importante é prezar pela saúde.


Quando faço agachamento meus joelhos estalam, é normal?


Não. Se há estalos ou crepito significa que há algo errado. Aconselho buscar um profissional para fazer avaliação. Um dos sintomas da condromalácia é o crepito, indicativo de desgaste da cartilagem retro patelar.


Fui diagnosticado com hérnia de disco, posso fazer agachamento?


É um caso a ser avaliado, o que podemos afirmar que é 100% contraindicado o uso de cargas. Nesse caso considero importante o fortalecimento do “CORE”, agachamento nesse momento não deve ser prioridade.


Tive uma lesão de ligamento cruzado anterior, posso fazer agachamento?


É um caso a ser avaliado. Depende da lesão, se já foi realizada cirurgia. Mas vias de regra se a estrutura já está consolidada, pode sim fazer, com os devidos cuidados, como todos os casos.


Quando faço agachamento meus tornozelos doem, o que pode ser?


Existem diversas possibilidades. Pode ser por exemplo, a realização errada do exercício (anteriorização dos joelhos) é um dos exemplos. Pode ser excesso de carga. Ou mesmo adoção de postura “prona” do pé. Mas indico avaliação estática e dinâmica para fechar diagnóstico e ou correções.


Percebo que quando faço agachamento tenho a tendência a fechar os joelhos, o que pode ser?


É importante avaliação, mas quando há esse tipo de comportamento é possível que haja a fraqueza da cadeia lateral de coxa (abdutores). Mas não há como afirmar sem avaliação global.


Tenho “água no joelho” (sinovite), posso fazer agachamento?


Sim. Desde que não esteja na fase aguda. Mesmo porque nessa fase não conseguirá fazer pelas dores e redução de amplitudes de movimento.


Vamos desfazer o mito de que a fisioterapia condena o exercício de agachamento e o uso de peso. O que a fisioterapia busca é preservar a saúde das articulações, músculos, tendões e ligamentos.



Jucélia Almeida

Fisioterapeuta,

Especialista em Oncologia,

Mestranda em Ciências.



Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087