Amamentação: os benefícios e as dificuldades para mães e filhos



Segundo a OMS, o ideal é que o bebê seja amamentado até os dois anos de idade 

A amamentação é uma das experiências mais incríveis da maternidade, capaz de, ao mesmo tempo, nutrir e criar laços entre a mãe e o bebê. A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é alimentar a criança com leite materno até os dois anos, sendo os seis primeiros meses de forma exclusiva com ele. No mês de incentivo ao aleitamento materno, Agosto Dourado, a Faculdade UNINASSAU Petrolina alerta para a importância do ato. 


Enzimas, anticorpos, hormônios, nutrientes – como proteínas, lipídios, carboidratos, vitaminas – e micronutrientes estão presentes no leite. A enfermeira e coordenadora do curso de Enfermagem da Instituição, Ana Paula Andrade, frisa que o aleitamento é capaz de reduzir a mortalidade infantil.   


“O leite materno tem tudo que o bebê precisa até os seis meses de idade. Os benefícios são inúmeros: diminui as cólicas, aumenta a imunidade, protege das alergias, reduz o risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta; além de diminuir em até 13% a mortalidade em crianças menores de 5 anos”, explica.   


As mães também são beneficiadas com a amamentação. “Esse processo favorece o emagrecimento, porque, na produção do leite, gasta-se mais calorias do que o normal. Também previne o câncer de mama e de ovário e ajuda o útero a voltar ao tamanho normal”, destaca.   


Mas, no momento da mãe e do bebê, também existem as dificuldades. Fissura na mama, dor, leite “empedrado”, pouco leite e hiperlactação são alguns dos desafios iniciais. “É importante posicionar o bebê corretamente, de frente para a mãe, barriga com barriga. Para a ‘pega’ correta, é preciso que o queixo toque o seio e o nariz fique livre para respirar, além de a aréola ficar toda dentro da boca do bebê, não somente o mamilo”, orienta Ana Paula.

  

Para aquelas que sofrem com leite “empedrado” por conta da hiperlactação a dica é esvaziar o seio. Uma boa alternativa é a doação do leite materno. “Cada 300ml de leite materno humano atende até dez recém-nascidos por dia”, informa. Para tentar minimizar ou até eliminar tais dificuldades, é importante que a mulher ainda na gestação busque por orientações com profissionais da saúde.  


Fonte: Ascom/UNINASSAU-PE

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087