Carta aberta de empresários que circula nas redes sociais é fake e blogs locais entram na onda


Imprensa local cai no “conto do vigário” e promove debates desnecessários

Está circulando nas redes sociais do Vale do São Francisco uma CARTA ABERTA ao Prefeito de Petrolina-PE, supostamente escrita por empresários da cidade, comunicando que estes deixariam de obedecer às medidas restritivas impostas pelos governadores e prefeitos para tentar conter a propagação do Covid-19, sob a alegação de desrespeito a alguns artigos da Constituição Federal.


Fato é que essa suposta carta já vem sendo veiculada em diversas outras cidades do país, mudando-se, apenas os nomes das figuras políticas. O próprio site BOATOS.ORG, desde o último dia 10, já desmentira esta carta, quando feita para o município de Ribeirão Preto - SP, e, no dia 12, quando feitas para os municípios de Santos - SP e Uberaba - MG.


Eis o teor da carta, para você, leitor do Cartaz da Cidade, ficar por dentro do que está realmente acontecendo:


“A Sr Prefeito Municipal ___________ e srs Vereadores e ao povo ______________:

Informarmos que a partir do dia 17 de março de 2021, não aceitaremos e muito menos seguiremos qualquer decreto que impeça qualquer pessoa no Município de ______________ de exercer seu Direito Constitucional da Livre Iniciativa (Art. 1o, IV, CF e Art. 170, CF).

Qualquer novo decreto que impeça o trabalho irá comprometer outro Direito Constitucional, o da Dignidade da Pessoa Humana (Art. 1o, III, CF) seja para Empresários, Colaboradores, Funcionários Públicos, Aposentados e outros, pois, além de inviabilizar a continuidade de atividades, demissão em massa, quem tem seus proventos sofrerá com enorme redução em virtude da inflação no preço dos produtos.

Pedimos que o Sr. Prefeito e Vereadores adotem o tratamento precoce, transparência da vacinação e verbas, façam investimentos na área da saúde, aumento de leitos, insumos, estoque de medicamentos, EPIs, dentre outros que garantam atendimento médico a todos, bem como a fiscalização contínua de festas clandestinas, churrascos e aglomerações.

Reiteramos que Distanciamento Social não é sinônimo de Proibição do Trabalho e Fechamento de Atividades, tendo em vista que 90% do comércio e serviços do Município não possuem aglomerações, devido à crise financeira. Dentro das lojas do centro, shopping ou bairros, são raras as que possuem vários compradores simultâneos e as que possuem, devem controlar os acessos.

Por fim, reiteramos ao Sr. Prefeito que não iremos seguir qualquer decreto que impeça o trabalho a partir do dia 17 do mês de março de 2021 e pede que não sejam editados decretos neste sentido, pois a abertura não será uma opção do Sr. Prefeito, mas do povo _________________ contra os decretos e a fiscalização, ante a situação, iremos praticar a legítima defesa (Art. 25 do Código Penal), pois estaremos defendendo nossas famílias, nossos amigos, nossos colaboradores, todo cidadão _______________ e nosso patrimônio. Pedimos diálogo, honestidade, bom senso e que afastem-se do espectro político, permitindo o povo trabalhar, para que evitemos enfrentamentos desnecessários que possam causar danos, quaisquer que sejam entre quem precisa trabalhar e agente da administração pública, seja na legislação, ou fiscalização. Queremos a paz, saúde e acima de tudo, que todos sejam livres. Atenciosamente, Empresários de _________________.”


Fonte: Redação Cartaz da Cidade


Sua opinião é importante para nós. Faça o login e deixe seu comentário no rodapé de nossas matérias. O CARTAZ DA CIDADE agradece por sua participação.