Cartaz da Cidade participa do lançamento da campanha ‘Eu Viro Carranca para Defender o Velho Chico'


Este ano com o tema ‘Velho Chico para todos’ a campanha vai discutir os usos múltiplos do Velho Chico e da necessidade de se concretizar o Pacto das Águas


Foi lançada nesta terça-feira, 01 de junho, pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) a campanha “Eu Viro Carranca para Defender o Velho Chico”. A campanha tem como objetivo conscientizar a população sobre a preservação do rio e mobilizar todos pelo uso responsável dos seus recursos hídricos.


O tema “Velho Chico para Todos” aponta para os vários usos do Rio São Francisco e a necessidade de se concretizar o Pacto das Águas na Bacia do Velho Chico. “As águas do Rio São Francisco, bem como seus reservatórios, estão direcionadas para os usos múltiplos, e não só para a geração de energia. Queremos sinalizar, com essa campanha, que todos aqueles que se beneficiam das águas sanfranciscanas devem ter compromisso com a sua preservação e com a saúde do seu ecossistema”, destacou Anivaldo Miranda, presidente do CBHSF.


Contribuíram também no lançamento Paulo Vilela - coordenador de comunicação da campanha, Márcio Tadeu Pedrosa – membro do Comitê e da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Mariana Salazar – Assessora de Comunicação do CBHSF, Jaquelyne Fonseca – Coordenadora Técnica da Agência Peixe Vivo e a professora Yvonilde Medeiros – pesquisadora da UFBA.


Durante a Live foi abordado que, o Rio São Francisco ao longo de décadas vem sendo utilizado para abastecimento público, agricultura, indústria, geração de energia, navegação, pesca e aquicultura, turismo e recreação, entre outros. A diversidade de setores usuários provoca uma série de impactos, positivos e negativos, entre as diferentes atividades, o que resulta em interações complexas.


Um dos eixos abordados pelos técnicos e membros do CBHSF é a concretização do Pacto das Águas para a Bacia do Velho Chico que deve prever ações coordenadas que levem à distribuição harmônica das águas aos seus usos múltiplos, evitando conflitos e garantindo água de qualidade e em quantidade para todos.


Entre outros assuntos abordados também, foi discutido a solução para o assoreamento no Rio São Francisco no trecho pernambucano Petrolina - Cabrobó - Orocó e Belém do São Francisco. “A dragagem que remove a terra do fundo do rio, além de cara prejudica de inúmeras maneiras a vida no Velho Chico. Devemos investir no reflorestamento das matas ciliares e respeitar o código ambiental que protege as margens do rio”, disse o presidente Anivaldo.


O Cartaz da Cidade questionou sobre a problemática que envolve os municípios de Juazeiro e Petrolina quanto ao tratamento ineficiente do esgoto que 'cai' diretamente no rio. O Comitê informou que a função das agências que compõe o grupo é orientar e auxiliar no planejamento da gestão do esgoto além do abastecimento de água nos município.


“Esse é um dos eixos que o Comitê trabalha, mas não temos a função fiscalizadora. Temos conhecimento da situação até porque estão elencadas nos Planos Diretores dos municípios das duas cidades e como uma das metas a se cumprir em longo prazo”, informou Jaquelyne Fonseca, coordenadora técnica da Agência Peixe Vivo.


O presidente do Comitê ainda completou que o Ministério Público deve ser acionado caso os municípios não venham respeitar os prazos para o cumprimento das metas nos Planos Diretores que obrigam uma gestão eficiente da água e esgoto.


“Este é um momento de conscientização geral para defender o rio lutando pela restauração de suas matas ciliares, pela recarga de aquíferos, pela defesa e proteção das nascentes, contra o processo de contaminação de suas águas por agrotóxicos e pelo lançamento de esgotos. Devemos lutar pelo programa de revitalização e mobilizar todos para que os instrumentos de gestão sejam universalizados na bacia do São Francisco”, concluiu.


Iana Lima - Jornalista

Comente e Compartilhe!