Celso de Mello determina depoimento presencial de Bolsonaro em inquérito no STF



A decisão foi tomada no dia 18 de agosto, mas assinada nesta sexta-feira (11).

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello determinou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) terá de depor pessoalmente no inquérito que investiga interferência política na Polícia Federal. A outra opção do presidente seria o depoimento por escrito, com possibilidade de elaboração de respostas com prazo para entrega à Corte. 


A decisão foi tomada no dia 18 de agosto, mas assinada nesta sexta-feira (11) após o término do afastamento do ministro por questões médicas.


PF pede prorrogação do inquérito que apura interferência de Bolsonaro no órgão


De acordo com a CNN, o período de afastamento de Celso de Melo deve se estender até o dia 26 de setembro, mas o gabinete informou que ele poderia liberar decisões já tomadas antes da licença. 


Inquérito

As investigações começaram em abril, quando o então ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou a demissão do cargo. Na ocasião, Moro disse que Bolsonaro havia interferido na Polícia Federal ao demitir o então diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo, e ao cobrar a troca na chefia da PF no Rio de Janeiro. Bolsonaro nega a acusação (saiba mais aqui). 



Fonte: Bahia Notícias

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087