Com opções, Ceni deixa rodízio de lado e tenta dar identidade ao Flamengo



Tão logo foi anunciado como treinador do Flamengo, Rogério Ceni deixou claro que tentaria resgatar o espírito do time campeão de 2019. Dentre os pilares vitoriosos de Jorge Jesus, estava a repetição do time, ideia abandonada por Domènec Torrent.


Ceni ainda não conseguiu repetir a equipe em seus oito jogos até aqui. Em parte, a dificuldade em manter uma mesma escalação se deveu ao fato de o treinador ter assumido um elenco rubro-negro arrasado por lesões e também por convocações às Eliminatórias Sul-Americanas à Copa do Qatar.


Neste recorte, Rogério acionou 21 jogadores até aqui, dois a menos do que Dome usou no mesmo período. As trocas com o espanhol, no entanto, eram motivadas não só por questões pontuais, mas também por acreditar que a equipe renderia melhor com os atletas mais saudáveis em campo.


Ceni não é contra o rodízio, porém, começa a deixar mais claro que pretende ter algo mais próximo de um time base. Nos últimos três compromissos do Flamengo, por exemplo, manteve uma espinha dorsal e mexeu apenas por contingências como lesões e suspensão.


Nomes como Diego Alves, Isla, Rodrigo Caio, Filipe Luís, Gerson, Everton Ribeiro, Arrascaeta e Bruno Henrique foram figurinhas cativas, o que indica a busca pela repetição. Neste domingo (20), ele terá nova chance de dar corpo a sua escalação ideal, desta vez em confronto com o Bahia, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.


"Com o Rogério, estamos tentando fazer a mesma pressão que fazíamos com Jorge Jesus. Creio que o Rogério está fazendo um grande trabalho, está conquistando pontos muito importantes", disse Arrascaeta.


Eliminado da Copa do Brasil e da Libertadores, o Flamengo vê o lado positivo de ter o calendário menos apertado. Com a maratona reduzida, os rubro-negros ganharam tempo para trabalhar e chegar fisicamente em alta na reta decisiva da competição.


Ceni já enxerga a subida da equipe neste sentido: "A gente evoluiu bastante na parte física. Contra o Santos, tentamos colocar o time o mais ofensivo possível, com Gabigol, Bruno Henrique, Pedro, Arrascaeta e Everton Ribeiro juntos pela primeira vez. Tentamos ser um time agressivo e ofensivo, gerar gols".


Contra o Bahia, o leque de opções de Ceni também será maior, já que terá de volta Gustavo Henrique, antes suspenso, e Diego, em trabalho de reforço muscular. Ele poderá montar a equipe com: Diego Alves; Isla, Rodrigo Caio, Gustavo Henrique e Filipe Luís; João Gomes (Diego), Gerson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Bruno Henrique e Gabigol.


A equipe rubro-negra soma hoje 45 pontos, oito a menos que o líder São Paulo, e está na terceira colocação. No entanto, o Flamengo dois jogos a menos que os são-paulinos e ainda pode ultrapassar o Atlético-MG, segundo colocado, com 46 pontos, já nesta rodada.



Fonte: Bahia Notícias


Sua opinião é importante para nós. Faça o login e deixe seu comentário no rodapé de nossas matérias. O CARTAZ DA CIDADE agradece por sua participação.