Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro-BA, 48904-087

Conheça projeto que cria o Samu para animais no DF


A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) aprovou em primeiro turno, na última quinta-feira (28), um projeto de lei que cria um Serviço de Atendimento Médico de Urgência Veterinário, o SamuVet. Para valer, a proposta precisa ainda ser aprovada em segundo turno e sancionada pelo governador Ibaneis Rocha (MDB). Não há prazo para quando isso deve acontecer.


De acordo com projeto, do deputado distrital Roosevelt Vilela (PSB), o objetivo é "oferecer aos animais vítimas de abandono e maus-tratos o atendimento necessário para preservação de sua vida".


O serviço deve funcionar 24 horas para atender animais nas seguintes situações:


Atropelados que estejam em via pública;

Em situação de risco;

Soltos em vias públicas que estejam colocando o trânsito de veículos ou pessoas em fisco;

que sofreram maus-tratos.


A proposta prevê que o governo crie um serviço telefônico exclusivo para que os cidadãos acionem o SamuVet. O atendimento aos animais deve ser feito em um veículo equipado com material necessário para primeiros socorros.


Os veículos do SAMUVet serão equipados com uma infraestrutura semelhante a de um pequeno hospital, permitindo que o atendimento aos animais seja realizado dentro das normas de segurança e higiene necessárias ao desempenho da medicina veterinária”, diz o projeto.



O plano é que haja até uma carreta para a prestação do serviço a animais de grande porte. A equipe de atendimento deve ser composta por um motorista e um veterinário.


Se, após a realização dos primeiros socorros, for necessário um atendimento mais complexo, o animal deve ser encaminhado ao Hospital Veterinário Público do Distrito Federal para realização de cirurgia ou outro tratamento especializado.


O projeto prevê ainda que as despesas do serviço sejam pagas por orçamento próprio. No entanto, não explica de onde devem ser retirados os recursos necessários para a manutenção do sistema.


Fonte: Bahia Notícias