Conselho muda parecer de volta às aulas e exclui discriminação com alunos com deficiência



A mudança se deu após pressão do MPF (Ministério Público Federal), que solicitou a alteração do trecho do parecer relativo aos estudantes com deficiência

O CNE (Conselho Nacional de Educação) mudou parecer relativo ao retorno às aulas dos alunos com deficiência. A alteração se deu após questionamentos de que o texto original poderia ser discriminatório com esses estudantes -uma vez que abria a possibilidade de ensino a distância durante a pandemia do novo coronavírus, enquanto os demais retornariam às aulas presenciais.


A mudança se deu após pressão do MPF (Ministério Público Federal), que solicitou a alteração do trecho do parecer relativo aos estudantes com deficiência. O órgão encaminhou um ofício no dia 17 deste mês apontando os problemas e solicitando a alteração do documento.


De acordo com a Procuradoria do Distrito federal, da forma como o texto estava escrito, comparava-se deficiência à comorbidade e, portanto, os alunos com limitações estariam excluídos das atividades na retomada às aulas presenciais.


No documento original, os itens 8.1 e 8.2 referem-se, respectivamente a “estudantes de Educação Especial devem ser privados de interações presenciais” e “não devem retornar às aulas presenciais ou Atendimento Educacional Especializado (AEE) enquanto durarem os riscos de contaminação com o coronavírus”.


Em documento enviado ao MPF, após ser provocado, o conselho afirma que “contrariamente ao nosso objetivo, que é de assegurar direitos, a redação dá ensejo a tratamentos discriminatórios, em oposição ao que assegura o Artigo 5º da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (decreto nº 6.949/2009) e ao que busca a sociedade brasileira”, afirma o texto assinado por Ivan Cláudio Pereira Siqueira, conselheiro presidente da Câmara de Educação Básica do CNE.


O CNE completa afirmando que todo a parte do parecer que aborda a questão do público da educação especial seria suprimida. O Conselho se comprometeu a criar um parecer exclusivo para essa questão, dessa vez ouvindo entidades representantes das pessoas com deficiência -o que também havia sido abordado pelo MPF.


De acordo com o procurador da República Felipe Fritz, responsável pelo caso, o objetivo não seria forçar a volta presencial às aulas para alunos com deficiência, mas apenas garantir que fossem dadas as condições.



Fonte: Jornal de Brasília

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087