Covid-19: Cientistas criam programa que prevê risco de morte com 90% de exatidão


Foto: Paula Fróes/GOVBA



Uma pesquisa feita pela Universidade de Copenhagen, na Dinamarca, conseguiu encontrar uma forma de prever, com mais de 90% de precisão, se um paciente infectado pelo Sars-CoV-2 morrerá em decorrência da Covid-19. O estudo, feito com base em inteligência artificial, também foi capaz de determinar com 80% de eficácia se um paciente hospitalizado por coronavírus precisará de um respirador mecânico. O trabalho está publicado na revista científica Scientific Reports.


A ferramenta foi criada a partir do histórico médico de 2,6 milhões de cidadãos dinamarqueses obtidos de um banco de dados do país. Os pesquisadores realizaram testes PCR do Sars-CoV-2 em indivíduos com suspeita de Covid-19 e escolheram 3.944 pacientes com a doença confirmada para realizar as análises.


Os dados dos participantes alimentaram o programa de computador criado pelos cientistas. O intuito foi reconhecer padrões e correlações entre doenças anteriores dos pacientes e a progressão da gravidade da Covid-19 entre eles.


Com o resultado, os pesquisadores observaram que o programa de computador foi capaz de prever o risco de morte por coronavírus com 90,6% de exatidão. O programa também identificou os pacientes que precisaram de admissão hospitalar em 81,8% dos casos e quais necessitaram ser internados em unidades de terapia intensiva (UTI) com 72,1% de eficácia.

As informações dos participantes também serviram para reforçar doenças e características que podem fazer com que alguém seja considerado grupo de risco. Segundo os pesquisadores, a informação poderia ajudar a determinar qual grupo de pessoas deve ser colocado como prioridade na fila de vacinação.


Idade e obesidade

O cruzamento de dados mostrou que homens mais velhos e com pressão alta têm risco maior de morrer devido ao coronavírus. “Nossos resultados demonstram, sem surpresa, que a idade e o índice de massa corporal (IMC) são os parâmetros mais decisivos para quão severamente uma pessoa será afetada pela Covid-19”, explica Mads Nielsen, professor do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Copenhagen e principal autor do estudo.


A probabilidade de morrer ou acabar em um respirador também aumenta se o paciente tiver alguma doença neurológica.


Em ordem de prioridade, as doenças e fatores de saúde que, de acordo com o estudo, têm mais influência sobre se um paciente acaba em um respirador após ser infectado são: IMC elevado; idade avançada; hipertensão; ser do sexo masculino; doenças neurológicas; doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC); asma; diabetes e doenças cardíacas.


Câncer, insuficiência cardíaca, osteoporose e insuficiência renal crônica também entraram na lista de doenças que aumentam o risco de morte por Covid-19. Os pacientes hospitalizados apresentaram maior probabilidade de serem tabagistas.


“Para aqueles afetados por um ou mais desses parâmetros, descobrimos que pode fazer sentido movê-los para cima na fila de vacinas a fim de evitar qualquer risco”, detalha Nielsen.


O intuito dos pesquisadores é que a inteligência artificial seja usada para ajudar hospitais dinamarqueses, prevendo continuamente a necessidade de respiradores entre os pacientes com coronavírus. “Estamos trabalhando com o objetivo de prever a necessidade de respiradores com cinco dias de antecedência, dando ao computador acesso aos dados de saúde de todos os pacientes positivos para Covid-19 na região”, explica Mads Nielsen.


Fonte: Metrópoles



Sua opinião é importante para nós. Faça o login e deixe seu comentário no rodapé de nossas matérias. O CARTAZ DA CIDADE agradece por sua participação.

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087