Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro-BA, 48904-087

Delivery x Coronavírus.




Em tempos de precaução, diversas pessoas estão recorrendo ao serviços de entrega de alimentos prontos. Mas, será que esses alimentos estão livres do mal que assola o mundo, o Covid-19? A verdade é que não sabemos.

Em quem confiar, para podermos solicitar esse tipo de serviço e produtos. Não podemos ser paranoicos, mas, como a palavra da vez é precaução, devemos sempre dar preferência aos produtos cozidos ou fritos, bem como às empresas que tomam cuidados na hora das entregas. Mesmo assim, como comprovar esses cuidados para o consumidor final?

Mesmo que tenhamos sido pegos de surpresa com essa quarentena, podemos cobrar uma certa transparência das empresas de alimentos, como quando vemos as cozinhas com grandes janelas de vidro, para que os próprios clientes fiscalizem a manipulação das receitas. A tecnologia nos permite hoje, por exemplo, que as cozinhas dos restaurantes tenham câmeras que transmitam aos clientes as imagens das manipulações. Isso seria o similar das janelas de vidro. E, estendendo a ideia, poderíamos acompanhar o caminho do alimento até ao entregador, oferecendo uma espécie de certificado de qualidade a quem estiver comprando.

Já os entregadores, que no momento estão sendo orientados a não ter contato com o cliente na hora da entrega, para proteger ambas as partes, poderiam receber apenas pagamentos em cartões de débito ou crédito, para não tocarem em dinheiro. Assim, eles, com material de higienização, poderiam limpar as maquinetas na frente dos clientes e oferecer álcool gel aos mesmos após a manipulação dessas maquinetas.

As embalagens, por sua vez, poderiam ser de isopor ou papelão plastificado, para que o entregador pudesse limpar a superfície externa na frente do cliente e, já dentro de casa, o consumidor pudesse descartar imediatamente esta embalagem, evitando a proliferação de possíveis vírus impregnados, indo lavar as mãos antes da refeição.

Não sabemos se as empresas se preocuparão com todas as medidas de segurança aqui descritas. Mas, sabemos que, em tempos de concorrência de mercado e preocupação com o social, quem demonstrar mais ações preventivas terá a maior preferência do consumidor. E sabemos que, uma vez que cai nas graças dos clientes, dificilmente essas empresas perderão a clientela, tendo um maior e mais rápido crescimento, após esse período de cuidados especiais.