Em três meses, mais de mil brasileiros desistiram das vagas no programa Mais Médicos.


Do total de 7.120 médicos brasileiros que ingressaram no Programa Mais Médicos após a saída dos cubanos, cerca de 15% desistiram nos primeiros três meses. De acordo com levantamento da Folha de S. Paulo, ao menos 1.052 profissionais que assumiram entre dezembro de 2018 e janeiro de 2019 deixaram as vagas.


O Ministério da Saúde informou que o tempo médio de permanência dos dois primeiros grupos de profissionais variou de uma semana a três meses. Entre os motivos relatados para saída estão a busca por outros locais de trabalho e por cursos de especialização e de residência médica.


O levantamento mostrou ainda que o maior volume de saídas foi registrado em cidades com 20% ou mais da população em extrema pobreza: 324 desistência. Em seguida, aparecem as capitais e regiões metropolitanas, com 209 desistências.


Em entrevista ao jornal, o presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde

(Conasems), Mauro Junqueira, afirmou que o abandono das vagas na capitais ocorre porque boa parte está em regiões carentes e com altos índices de violência. "Quando se fala em capital com vagas no Mais Médicos, não estamos falando nos Jardins, em São Paulo, mas em favelas e áreas mais distantes, onde é difícil ficar com essa violência toda".


Em nota, o ministério disse que as vagas oriundas de desistências "poderão ser ofertadas em novas fases do provimento de profissionais ainda em análise".




Fonte: Bahia Notícias

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro-BA, 48904-087