Europa recebe critica devido a lentidão da vacinação, OMS diz que essa lentidão é ‘inaceitável’


Mesmo com grande poderio econômico, o continente está com baixas taxas de vacinação.


Mesmo com grande poderio econômico, a Europa tem enfrentado problemas em seu processo de vacinação. A imunização foi iniciada no fim de dezembro do ano passado, mas até agora o total está bem abaixo do preconizado. No início do mês abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) criticou a lentidão da vacinação no continente europeu, e mostrou preocupação no grande aumento de infecções por coronavírus no continente.


Em todo o continente foram fechados acordos com quatro laboratórios que totalizam 1,1 bilhão de doses, além de mais 500 milhões em opções futuras. A taxa da população vacinada com a primeira dose de vacinas é de 12,44% na Europa e 11,61% na União Europeia, formada por 27 países do continente, segundo o "Our World in Data", projeto ligado à Universidade de Oxford. As taxas de vacinação na Europa está bem acima da média mundial que é de (4,31%), e comparada a Países da América Latina como o Brasil alcança a marca de (7,02%), mas o continente está muito atrás na vacinação comparado a Países como Israel que tem a taxa de (60,59%), Chile (35,55%) e Estados Unidos (29,18%).


A Europa sofre com uma vacinação lenta contra a Covid-19 em meio a uma terceira onda de contágios que está obrigando vários países a adotar novas medidas de restrição. O presidente da França, Emmanuel Macron, endureceu o confinamento no país por no mínimo quatro semanas. O Presidente Francês quer acelerar a vacinação até imunizar todos os maiores de 18 anos até o fim do verão francês, no período do mês de setembro.


Brasil Contra o Covid


No Brasil, O Governo Federal enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação em que diz que “não pode ser responsabilizado pelos atrasos na vacinação contra a Covid-19”. O documento da Advocacia-Geral da União (AGU) argumenta que “a aplicação é feita por Estados e municípios e que a falta de doses é um problema mundial e não apenas do Brasil”.


No documento, o governo ainda diz ter direcionado R$ 20,5 bilhões para a aquisição de vacinas, sendo as maiores parcelas desse montante direcionadas ao Instituto Butantan (R$ 5,8 bilhões por 100 milhões de doses da Coronavac) e à Pfizer (R$ 5,6 bilhões também por 100 milhões de doses).



Da Redação/Caíque Lima Com informações G1, CNN.

Comente e compartilhe.

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Desenvolvido por

Marca_CaJú_PNG.png

© 2018-2021. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

R. Argentina, 43, Sta. Maria Goretti,

Juazeiro - Bahia - Brasil 48.904-281