Fora da Prefeitura, Crivella perde foro privilegiado em julgamento do 'QG da propina'



Redisposição do caso demanda uma agilidade maior para a Justiça decidir se passa para a frente a denúncia apresentada pelo Ministério Público

O caso que levou o então prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, à prisão sai do 1º Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Rio para a primeira instância. Fora do cargo, o acusado deixa de ter foro privilegiado na segunda instância. Na próxima quarta-feira (6), os autos passam para a 1ª Vara Criminal Especializada de Combate ao Crime Organizado, por determinação da relatora da denúncia, a desembargadora Rosa Helena Macedo Guita.

Crivella é acusado de comandar um esquema de corrupção na prefeitura do Rio. O caso, conhecido como “QG da propina”, consiste em um movimento de liberação de pagamentos a credores em troca de propina. Ele está em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica.

A redisposição do caso demanda uma agilidade maior para a Justiça decidir se passa para a frente a denúncia apresentada pelo Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro contra 15 integrantes do esquema, os transformando em réus. A deliberação na 1ª instância é de responsabilidade única do juíz.



Fonte: Política ao Vivo


Sua opinião é importante para nós. Faça o login e deixe seu comentário no rodapé de nossas matérias. O CARTAZ DA CIDADE agradece por sua participação.


Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087