Governo desiste de dividir, e novas parcelas do auxílio continuarão sendo de R$ 600



Segundo o presidente da Caixa Econômica Federal dividir parcelas “daria muita confusão”

A Caixa Econômica Federal informou ontem (17) que o valor de pagamento das duas últimas parcelas do Auxílio Emergencial seguirá em R$ 600.


Quando o governo anunciou a prorrogação do auxílio emergencial no fim de junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, indicou que o valor do benefício poderia ser fracionado.

"Havia um desejo do governo de dividir as parcelas em dois pagamentos mensais, mas isso daria muita confusão. Eu conversei com o Ministro Paulo Guedes e Onix que do ponto de vista da Caixa seria uma operação muito complexa. Então chegamos ao consenso de fazer assim em ciclos de forma simples e direta", afirmou o presidente da Caixa Econômica Federal Pedro Guimarães, em coletiva.


No cronograma publicado nesta quinta-feira (16) no Diário Oficial da União, o Ministério da Cidadania separou o pagamento por ciclos, de acordo com o mês em que o trabalhador recebeu a primeira parcela ou o período de inscrição, mas com apenas um crédito a cada mês. As datas de pagamento da quarta e da quinta parcela foram incluídas no cronograma.


Fonte: Metro1