Suspeito de morte por Covid-19 na bahia cuidava de senhora com 101 anos

Atualizado: Mar 27

UPA e IML se recusaram a realizar os devidos exames antes do enterro


Na madrugada do último sábado, 21 de março, na UPA de Itinga, na cidade de Lauro de Freitas-Ba, um jovem de 28 anos morreu por insuficiência respiratória, sem ter sido testado para o vírus Covid-19.


Poderíamos, aqui, estar apenas dando esta notícia que se somaria aos diversos casos já divulgados no Brasil, se não fosse pelo fato de parecermos estar em um movimento de conspiração, para que esse fato não fosse trazido à tona e revelado à população baiana. Senão vejamos.


José Roberto da Silva, 28 anos, no dia 11 de março, foi encaminhado à UPA de Itinga, um bairro de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, onde foi orientado a procurar a UPA de São Cristóvão, já na cidade de Salvador, onde foi atendido e liberado, mesmo com insuficiência respiratória grave, com histórico de febre e tosse seca, inclusive já expelindo sangue, mas somente com um diagnóstico de asma, sendo receitado com diversos medicamentos, sem que nenhum exame de laboratório, nem um simples hemograma tivesse sido feito.



Entretanto, o jovem, que trabalhava em uma residência, cuidando de uma idosa com 101 anos e com outras duas pessoas com mais de 60 anos na casa, uma com doença renal crônica e outra com hipertensão, acabou piorando na noite do dia 20, quando foi levado à UPA de Itinga novamente, com insuficiência respiratória. Dessa vez, José Roberto acabou vindo a óbito.



Como os atendentes da UPA de Itinga alegaram que José Roberto já chegara naquela Unidade sem vida, não expediram o atestado de óbito que, mais tarde fora lavrado pelo IML de Salvador, com causa morte indeterminada.


A UPA não se preocupou em realizar o devido teste para possível detecção da Covid-19, que já assola a Região Metropolitana de Salvador, com diversos casos confirmados.


Mais bizarro ainda foi o fato de o corpo ter sido encaminhado ao IML, que (pasmem) também não realizou o teste para Covid-19, mantendo o corpo retido até que sua irmã, Lourdes Gomes, tivesse que viajar de Maceió, terra natal da vítima, para a liberação pro enterro, mesmo sem a deliberação da real causa da morte, que se manteve como indeterminada.



Indignados, os integrantes da residência onde José Roberto trabalhava, contratantes do mesmo, antes da liberação do corpo para o enterro, solicitaram da justiça, em caráter liminar, que os testes fossem efetuados durante a necrópsia. Entretanto, alegando que “não compete ao Poder Judiciário, em regra, interferir nas políticas públicas de saúde, a não ser quando houver efetiva violação de direitos pelas autoridades...”, completando “que a quantidade de testes no Brasil é limitada, cabendo ao gestor definir as opções e critérios para a sua realização, não havendo norma que institua direito de todos ao referido exame”, o Juiz de Direito, Álerson do Carmo Mendonça, negou o pedido.



Insatisfeitos com a inacreditável decisão em tempos de pandemia, a família recorreu ao Segundo Grau do Tribunal de Justiça da Bahia, quando, em data de 25 de março, o Desembargador José Aras proferiu a seguinte decisão:


“DEFIRO O PEDIDO DE EFEITO ATIVO (antecipação de tutela) requerido no presente agravo de instrumento para determinar aos Impetrados que no momento da realização da necropsia realizem os exames laboratoriais com vistas a identificar a presença, ou não, do coronavírus e respetiva enfermidade por ele causada (COVID-19) no corpo de cujus JOSÉ ROBERTO GOMES DA SILVA, e, se porventura já tiver sido realizado o procedimento de necropsia ao tempo da ciência dessa decisão, que proceda à coleta de material genético apto no corpo do de cujus para imediata realização do exame referido, diligência(s) essa(s) que devem ser cumpridas no prazo máximo de 24 horas face a urgência que o caso requer, estipulando, desde já, multa no montante de R$ 1.000,00 (hum mil reais), ao dia, para a hipótese de descumprimento.

Ante a urgência do caso, confiro força de mandado à presente decisão.”

(José Aras – Desembargador)


Não precisamos fazer muita força para entendermos a sábia, porém extemporânea, decisão do Desembargador, que se preocupou basicamente com os interesses da saúde pública. Mas, como já dito, a decisão saiu tarde demais, pois o corpo já havia sido liberado pelo IML, para o enterro pela família de José Roberto, em Maceió, inviabilizando a realização do exame.


Os contratantes de José Roberto, por questões óbvias, estão indignados. Segundo a filha da senhora de 101 anos, que vivia sob os cuidados de José Roberto, “a revolta é com a falta de responsabilidade dos órgãos de saúde e, principalmente, com a insensatez do primeiro julgador, que indeferiu o pedido de decisão liminar”.


Agora, a justiça deve aguardar a resposta do IML à decisão judicial, para que todos possam saber o que fazer, enquanto que todos os que estiveram em contato com José Roberto se encontram isolados por questões de segurança da saúde pública. Além do mais, é um direito dos familiares do falecido o conhecimento do que causou a morte de José Roberto, que deixa três filhas com 6, 8 e 10 anos, irmãos e mãe idosa, todos inconsolados.


Veja, aqui, as decisões judiciais na íntegra, para que você não tenha dúvidas dos fatos ocorridos.







Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Notícia

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087