Teich diz que divergência sobre cloroquina motivou pedido para sair do Ministério da Saúde

Ele deixou o Ministério da Saúde pouco menos de um mês após assumir a pasta, após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, demitido por Bolsonaro



O ex-ministro da Saúde Nelson Teich admitiu que as divergências sobre o uso da cloroquina no tratamento ao coronavírus tiveram peso na sua decisão de deixar o comando da pasta. Em entrevista à Globo News, ele declarou que a estratégia do presidente Jair Bolsonaro de cobrar o uso do medicamento polarizou o debate sobre o combate à Covid-19.


Teich deixou o Ministério da Saúde pouco menos de um mês após assumir a pasta, após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, demitido por Bolsonaro após divergências com o governo no protocolo de enfrentamento à epidemia de coronavírus.



"É óbvio que antecipar o uso da cloroquina teve peso. Porque é uma escolha. O presidente achava que era melhor antecipar, e eu achava que não", disse. Apesar das divergências em relação ao uso do medicamento, Teich afirmou que não se sentiu pressionado e que foi uma saída "confortável", mas que houve um "desalinhamento" com o presidente.


"Não me senti pressionado. Eu tinha que tomar uma decisão. Tem duas posições diferentes, e o presidente foi escolhido. Não houve um alinhamento com o presidente, e é ele quem define. Ele é o chefe da nação, me colocou ali. Se, por algum motivo, eu não concordo, tenho que sair. A posição dele é essa, ele tem o direito. Desalinhamento não é conflito", afirmou.



Fonte: Metro1

Siga-nos em nossas redes sociais

  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Desenvolvido por

© 2018-2019. Todos os direitos reservados.

CaJú Publicidade Ltda

CNPJ: 21.107.640/0001-75

Marca_CaJú_PNG.png

Av. Flaviano Guimarães, 333, Cajueiro, Juazeiro - Bahia - Brasil 48904-087